top of page
  • Foto do escritorGabriel Menezes

Um Universo Paralelo Está Mudando a Nossa Realidade?

Atualizado: 19 de mai. de 2022


Universo Paralelo

Às vezes referido como a Conspiração dos Ursos de Berenstain, o Efeito Mandela é um fenômeno no qual as pessoas relatam ter as mesmas memórias falsas, levando a uma crença de que algo está mudando a realidade.


Todos nós experimentamos a vida através de nossas próprias lentes subjetivas, interpretando os acontecimentos do dia-a-dia de uma maneira diferente a de todos os outros. Isso contribui para a individualidade, o livre arbítrio e a capacidade de pensar por nós mesmos. Mas é claro que a maneira como testemunhamos nosso mundo geralmente resulta em lapsos de memória ou percepção. Às vezes, parecemos nos lembrar de eventos que aconteceram de maneira diferente a dos outros ou a nossa percepção do tempo fica distorcida.


E lapsos de memória individuais são facilmente apagados quando a memória de todos os outros diz o contrário. Mas como explicar as falsas memórias que são mantidas por uma parcela significativamente grande da população?


Confabulação é o termo psiquiátrico para substituir uma lacuna em sua memória por uma falsificação. Então, e a confabulação em massa? Bem, isso se tornou uma espécie de conspiração, conhecida como O Efeito Mandela.


Exemplos do Efeito Mandela


O Efeito Mandela foi um nome cunhado por Fiona Broome, que parecia se lembrar de ouvir sobre a morte de Nelson Mandela no noticiário enquanto ele estava preso na década de 1980. Na “realidade”, Mandela sobreviveu até o final de 2013 e se tornou presidente da África do Sul em 1994. Mas, como foi observado na época, a sua memória foi compartilhada por um dilúvio de pessoas igualmente convencidas, resultando em muitos outros casos em que grandes faixas da população alegou experimentar as mesmas memórias confabuladas.


Isso poderia ser o resultado de uma pessoa lembrando incorretamente de um evento histórico? Ou, um ícone cultural propagando sua má interpretação para ser lembrado incorretamente pelas massas? Ou mesmo um delírio coletivo? Isso poderia ser a evidência de um multiverso em que ondas de eventos de um universo paralelo chegaram ao nosso, criando nuances sutis no continuum tempo-espaço, onde antes havia um livro infantil chamado de "Os Ursos BerenstEin, em vez de "Os Ursos BerenstAin"? Vamos explorar a última possibilidade, pois ela é a mais interessante.


Enquanto o desenho e livro infantil Os Ursos Berenstain são ostensivamente um exemplo mundano e inconsequente do Efeito Mandela, existem outros casos que são tão estranhos que são difíceis de ignorar.


Por exemplo, quando Darth Vader revela seu relacionamento paternalista com Luke Skywalker em Star Wars, a maioria das pessoas se lembram e parafraseiam isso através de artes, camisas e elementos da cultura pop com o Darth Vader dizendo: “Luke, eu sou seu pai” (Luke, I'm your father). Quando na ‘realidade’, se você ver o filme de novo, ele diz: “Não, eu sou seu pai”. Embora um fã intransigente de Star Wars possa zombar de alguém que cita erroneamente uma cena tão importante, não pode ser ignorado o fato de que a maioria das pessoas se lembra dela na primeira citação. Mesmo James Earl Jones, que dublou Darth Vader, lembra da fala incorretamente.


Citações de filmes à parte, um exemplo de um famoso evento da vida real que foi trazido para o mistério do Efeito Mandela diz respeito ao famoso manifestante na Praça da Paz Celestial. O 'Homem do Tanque', cujo ato desafiador de rebelião, de pé na frente de um tanque com sacolas de supermercado na mão, é lembrado por muitos como resultado de sua morte por atropelamento. Na verdade, ele não foi atropelado e não há evidências disso, mas muitos se lembram claramente de sua morte esmagadora.


Isso não é novidade para quem está familiarizado com a teoria e há muitos outros exemplos que a sustentam; tantos que há um subreddit inteiro dedicado ao efei to. Com temas que vão desde filmes que nunca existiram a discrepâncias em eventos históricos, as pessoas afirmam veementemente lembrar de coisas muito particulares de forma diferente, mas em grande escala coletiva. As reações de algumas pessoas são viscerais quando experimentam novas revelações devido ao Efeito Mandela, a ponto de incorrer em ataques de pânico ou questionar a realidade.


A Teoria do Efeito Mandela e o CERN


Uma teoria pragmática para explicar o Efeito Mandela é que este efeito é simplesmente uma falha na memória coletiva. Nossos cérebros são muito facilmente influenciados por nossos próprios filtros, bem como pela percepção dos outros. Muitas instâncias comuns do Efeito Mandela são triviais e talvez tenham passado despercebidas no passado, ou são o resultado de conclusões para as quais nossos cérebros saltam com base no contexto de uma imagem ou vídeo. Mas alguns são substanciais, como um país inteiro centenas de quilômetros fora do lugar .


Uma das teorias mais intrigantes que tentam explicar esse fenômeno aponta o dedo para o CERN e o grande colisor de hádrons na Suíça. Os experimentos do CERN destinam-se a encontrar partículas indescritíveis que poderiam mostrar evidências de um multiverso, criar pequenos buracos negros ou descobrir matéria escura.


Embora tudo isso pareça muito emocionante, também parece potencialmente perigoso. O que poderia dar errado se abríssemos um buraco negro na Europa ou atingíssemos outra dimensão com consequências desconhecidas? Enquanto os cientistas do CERN nos asseguram que seus experimentos são conduzidos em uma escala tão pequena e controlada que tem pouca ou nenhuma consequência negativa, alguns acreditam que sua intromissão em campos quânticos levou a alguns efeitos estranhos, resultando em algum tipo de interação de emaranhamento interdimensional.


Uma das partículas quânticas que o CERN tem procurado é o gráviton. Essas partículas elusivas correspondem a como a gravidade reagiria entre diferentes dimensões e ainda são apenas hipotéticas, mas a maneira como o CERN as descreve é intrigante.


“Se os grávitons existirem, deveria ser possível criá-los no Super Colisor de Hadrons, mas eles desapareceriam rapidamente em dimensões extras. Colisões em aceleradores de partículas sempre criam eventos equilibrados – assim como fogos de artifício – com partículas voando em todas as direções. Um gráviton pode escapar de nossos detectores, deixando uma zona vazia que notamos como um desequilíbrio no momento e na energia do evento. Precisaríamos estudar cuidadosamente as propriedades do objeto perdido para descobrir se é um gráviton escapando para outra dimensão ou outra coisa.”


O CERN está induzindo esses grávitons, criando buracos para outras dimensões e trocando idiossincrasias em nosso mundo? Ou estamos apenas tendo um lapso de memória coletivo? Qual é a sua opinião?

Comments


bottom of page